Nm 22 – 24

Nm 22: 18 – “Respondeu-lhe Balaão aos oficiais de Balaque: Ainda que Balaque me desse a sua casa cheia de prata e de ouro, eu não poderia traspassar o mandado do Senhor, meu Deus, para fazer coisa pequena ou grande.”

Balaão não só esperou ouvir uma direção de Deus para dar uma resposta para os mensageiros de Balaque (assim como Moisés havia feito em Números 9: 8), como manteve firme seu propósito de obedecer à ordem de Deus. Isso é fruto de um coração que teme e conhece o Senhor, pois ele tinha revelação que toda riqueza não poderia comprar sua obediência ao Pai. Um discípulo deve ter suas prioridades muito bem definidas e jamais titubear diante de uma situação em que sua fé é questionada. O Senhor é o único Deus e Ele é vem sempre em primeiro lugar.

Na insistência de Balaque, Balaão resolve ir, mas é avisado por Deus que só deveria falar aquilo que Ele colocasse na sua boca (tanto que Balaão contraria a vontade de Balaque ao abençoar Israel três vezes). Mas é interessante o que acontece depois:

“Então, o Anjo do Senhor passou mais adiante e pôs-se num lugar estreito, onde não havia caminho para se desviar nem para a direita, nem para a esquerda.” (Nm 22: 26)

Como Deus é cuidadoso! Que vivamos sempre nessa situação em que o Senhor colocou Balaão, onde ele não podia desviar nem para a direita, nem para esquerda, ele estava encurralado, então seus olhos se abriram e Deus pode falar com ele. Que vivamos no caminho apertado e estreito (Mateus 7: 13 – 14), sem alternativas, mas com um único alvo: Jesus, aquele por quem decidimos firmemente viver!